ONU Mulheres e Comitê Olímpico Internacional incentivam empoderamento de meninas e mulheres no esporte

Os Jogos Uma Vitória Leva à Outra 2021 reuniram 50 meninas para experimentarem modalidades esportivas não tradicionais e atividades sobre valores olímpicos e paralímpicos

Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020, realizados neste ano, emocionaram brasileiras e brasileiros. Com a melhor performance do país na história, o protagonismo foi das meninas e mulheres, que brilharam e mostraram como o esporte é também um espaço feminino e que elas podem superar qualquer obstáculo. Nos Jogos Olímpicos, das 21 medalhas com as quais o Brasil volta para casa, 9 foram conquistadas por mulheres ou equipes de mulheres, representando 41% do total. Nos Paralímpicos, as mulheres não só estão conquistando um número histórico de medalhas, como garantiram conquistas em modalidades inéditas para o Brasil.  

Desde 2015, o Programa Uma Vitória Leva à Outra (UVLO), inciativa conjunta entre a ONU Mulheres e o Comitê Olímpico Internacional, em parceria com as ONGs Empodera e Women Win, tem como objetivo criar espaços seguros para que meninas e jovens mulheres pratiquem esportes de qualidade e desenvolvam habilidades para a vida. Por meio de dinâmicas interativas, o Programa fortalece as habilidades de liderança, autonomia e autoestima de meninas adolescentes, fornecendo ferramentas para o seu empoderamento e aprimorando suas capacidades de influenciar decisões que impactam suas vidas em todos os níveis. Assim, as meninas podem romper com ciclos de violência e impactar o seu entorno. 

Com o avanço da vacinação contra a Covid-19, e em face do contexto dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, o Programa realizou os Jogos Uma Vitória Leva à Outra 2021, em colaboração com o Comitê Olímpico do Brasil (COB), seguindo todas as medidas de segurança. O evento ocorreu no sábado, 28 de agosto, das 8h às 17h, no Centro Esportivo Miécimo da Silva, no Rio de Janeiro, contando com a participação de 50 adolescentes beneficiárias do Programa, com idade entre 12 e 18 anos. O evento teve como objetivo fomentar uma maior participação de meninas em diferentes práticas esportivas, além de celebrar a atuação das atletas brasileiras que foram inspiração e mostraram a importância de termos mais mulheres nos esportes. 

Os Jogos UVLO 2021 contaram com oito estações com diferentes modalidades esportivas: seis estações de experimentação de modalidades olímpicas não tradicionais (escalada, hóquei, badminton, tiro com arco, skate e tênis de mesa); e duas estações de práticas corporais pedagógicas para trabalhar os valores olímpicos e paralímpicos e promover a participação das mulheres nos esportes.  

As Confederações Brasileiras oficiais de cada modalidade ficaram responsáveis por suas respectivas estações e disponibilizaram os equipamentos esportivos necessários. Atletas Olímpicas participaram e integrantes das confederações e organizações esportivas estiveram nas estações para passar os fundamentos esportivos de cada modalidade. 

Camilly Ferreira dos Santos, de 17 anos, mostrou a importância de estar em um evento que estimule a participação no esporte: “Meu sonho é ser útil, e o esporte me ajuda a ser útil para as pessoas que estão à minha volta e coloca cada vez mais esse desejo no meu coração.“. A atleta Olímpica Ane Marcelle, que representou o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e Tóquio 2020, também falou de como se sente próxima das meninas: “É um orgulho pra mim, ter estado em Tóquio, vir aqui, mostrar pra elas que é possível. O esporte traz essa felicidade, essa alegria pra gente.“. A ex-atleta de tênis de mesa, Mariany Nonaka, que representou o Brasil nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 e de Pequim 2008, complementa: “O esporte é uma ferramenta de inclusão social, ele pode mudar vidas”, diz. 

Letícia Ramalho, de 17 anos, participante do programa Uma Vitória Leva à Outra, ressaltou como é fundamental ter referências femininas no esporte: “Nesses jogos Olímpicos, as atletas que mais me chamaram atenção foram a Fernanda Garay, a Rayssa Leal e a Rebeca Andrade. Elas ganharam medalhas, cada uma em sua modalidade, e eu acho isso importante porque incentiva mais a gente a continuar. Você, pensa, puxa, eu não sabia que podia fazer isso!“, diz. 

Na segunda parte do evento, teve um bate-papo com as atletas olímpicas brasileiras Isabel Swan (Vela), Lohaynny Vicente (Badminton), Mariany Nonaka (Tênis de mesa), Ane Marcelle e Graziela Santos (ambas Tiro com arco) sobre suas experiências em Jogos Olímpicos, suas trajetórias no esporte e a importância das mulheres ocuparem os espaços esportivos em todas as suas esferas. As atletas também responderam àas perguntas das meninas sobre saúde mental, rede de apoio, preconceito, barreiras impostas e o que as motiva a continuar. Ao final, foram distribuídas medalhas para todas as participantes do programa Uma Vitória Leva à Outra, que foram entregues pelas atletas Olímpicas. 

Para a representante da ONU Mulheres no Brasil, Anastasia Divinskaya, “este é um momento muito importante para visibilizarmos as meninas e mulheres no esporte e mostrar como ele é uma ferramenta essencial para o empoderamento das nossas adolescentes. O Brasil teve uma atuação histórica das atletas mulheres nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, e a população brasileira se emocionou com o seu protagonismo. O que precisamos agora é um fomento permanente para que meninas sejam estimuladas a acessarem e permanecerem disfrutando e se desenvolvendo no esporte. Aliado a isso, o programa Uma Vitória Leva à Outra cria espaços seguros e de troca, que potencializam os efeitos das práticas esportivas e rompem com estereótipos de gênero”, diz. 

Jane Moura, presidente da ONG Empodera, aponta que “os Jogos Uma Vitória Leva à Outra, além de terem possibilitado que as participantes do programa experimentem modalidades esportivas não tradicionais e pouco acessíveis meninas periféricas foram muito importante para que elas pudessem fortalecer suas habilidades socioemocionais e aprimorar suas habilidades de liderança. Além disso, foi uma excelente oportunidade para as participantes vivenciarem os valores olímpicos e paralímpicos e também compreendê-los como aspectos importantes para o empoderamento de meninas e mulheres.

Isabel Swan, coordenadora da área Mulher no Esporte do Comitê Olímpico do Brasil e ex-atleta de Vela, reforça que “o esporte é feito de referências, então a gente proporcionar um espaço com estas referências e abrir um leque de oportunidades paras meninas experimentarem diferentes modalidades e se inspirarem é muito importante. Este evento também faz com que as meninas vejam que cada atleta teve seu caminho, mas que elas têm também similaridades. Faz com que as meninas vejam que, com vontade e sem desistir, é possível. A gente sabe que o caminho é difícil, são meninas que vêm de um quadro de vulnerabilidade social, mas no qual o esporte pode se tornar uma ferramenta para inclusão. O Comitê Olímpico do Brasil e a minha área entendem isso, e buscam promover, através da ONU Mulheres, do programa Uma Vitória Leva à Outra e em parceria com a Empodera, esses espaços para que mais meninas tenham acesso e realmente se fortaleçam com o esporte. 

O evento seguiu todas as medidas de prevenção à COVID-19 estabelecidas pelo protocolo de biossegurança do programa Uma Vitória Leva à Outra, incluindo uso de máscaras, distanciamento social e higienização das mãos e dos materiais/equipamentos.  

O PROGRAMA 

O programa surgiu em 2015 no contexto dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e foi implementado em 20 Vilas Olímpicas da cidade do Rio de Janeiro, alcançando diretamente cerca de 800 meninas e tornando-se um dos legados olímpicos. Em 2018, o Programa deu início à sua segunda fase, que se encerra ainda este ano. Em 2020, o programa teve que suspender suas atividades presenciais devido à Covid-19. Com o avanço da vacinação no Rio de Janeiro, e após a adaptação da metodologia do programa com base em medidas sanitárias e de distanciamento social preconizadas pelas autoridades sanitárias, o Programa retomou suas atividades em agosto de 2021, juntamente com os jogos Olímpicos em Tóquio. Serão 630 meninas beneficiadas, lideradas por 8 organizações esportivas de diferentes localidades do Rio de Janeiro. As atividades esportivas deste ano são futebol, vôlei, judô, rugby, capoeira e ginástica rítmica. 

Para saber mais sobre o programa, acesse o site: www.umavitorialevaaoutra.org.br.

Fonte: ONU Mulheres.