Solidariedade em tempos difíceis: todos podem ser um agente transformador

Desafios com a educação e apoio a refugiados em nosso país podem nos mobilizar a fazer a diferença diante das crises da Covid-19

 

Fico pensando no que estamos fazendo ou ainda faremos para sair dos estragos trazidos pela pandemia do coronavírus. É claro que a vacina no braço é o primeiro passo para que consigamos sair da inércia e voltarmos a um normal. Afinal, o saldo de vidas perdidas é enorme e indescritível: são mais de 560 mil.

Mas, enquanto o imunizante não chega para todos, outros efeitos colaterais que vão além da saúde continuam acontecendo e podem perdurar por um bom tempo se não arregaçarmos as mangas para curar algumas dores, como a falta de comida na mesa de tantas famílias, a desigualdade social que foi e scancarada e a educação que ficou em último plano desde o início desta crise.

Clique aqui para acessar a matéria completa

Fonte: Veja São Paulo.