Gerdau e Localiza apostam em ações solidárias para ajudar comunidades carentes

Através de projetos como Voluntário Gerdau e Movimento do Bem, as duas empresas lideram causas sociais importantes que promovem um impacto positivo na sociedade

Solidariedade e cidadania formam a equação transformadora que guia diversas ações sociais promovidas por instituições com políticas sérias de voluntariado. Em momentos cruciais – como o da crise mundial gerada pela pandemia da Covid-19 –, muitas empresas se dispõem a doar tempo, conhecimento e recursos para ajudar o próximo.

Programas como o Voluntário Gerdau, do grupo Gerdau, e o Movimento do Bem, da locadora de automóveis Localiza, são exemplos importantes de como a filantropia empresarial pode causar um impacto social positivo na vida de populações em situação de emergência.

As duas empresas são integrantes ativas do Comitê Mineiro de Voluntariado Corporativo (CMVC), órgão criado pela Cooperação para o Desenvolvimento e Morada Humana (CDM) para promover ações humanitárias desenvolvidas por firmas que atuam em Minas Gerais.

Em atividade desde 2015, o CMVC conta com mais de 80 instituições cadastradas que promovem projetos que beneficiam 500 mil pessoas em todo o Estado.

“A ideia principal é fomentar a solidariedade maximizada nas empresas, unindo, através de nossa rede, atores prováveis e improváveis em prol da transformação do ser humano”, afirma Vivian Ramos, gestora do CMVC e gerente de projetos da CDM, organização sem fins lucrativos que existe há 35 anos. “Buscamos unir esforços, compartilhar saberes e recursos para fortalecer o trabalho integrado e em rede das empresas que fomentam o voluntariado corporativo em solo mineiro”, completa.

Gerdau aposta no engajamento em meio à pandemia 

O período de isolamento social trouxe inúmeros desafios para companhias engajadas em ações filantrópicas. Com a restrição do contato físico, tão essencial para este tipo de atividade, muitos projetos precisaram ser repensados para a nova realidade. E a Gerdau foi um dos principais agentes que acompanharam essa tendência e conseguiram adequar suas ações de voluntariado ao momento de incerteza mundial.

Através do programa Voluntário Gerdau – que incentiva ações voluntárias entre funcionários e familiares há 15 anos –, a tradicional companhia siderúrgica conseguiu reunir no ano passado mais de 410 colaboradores que investiram cerca de 330 horas de trabalho voluntário em 52 projetos dedicados a mitigar os efeitos da Covid-19 em comunidades carentes. Ao todo, a iniciativa beneficiou mais de 4.700 pessoas em diferentes comunidades mineiras.

“Incentivamos o colaborador a se desenvolver e exercitar sua cidadania por meio da doação de tempo e conhecimento, se envolvendo com o bairro ou a comunidade onde mora”, explica o coordenador de relações institucionais e de responsabilidade social da Gerdau, Bruno Castilho.

Segundo o gestor, o maior desafio foi manter as atividades ininterruptas em meio às complexidades do ambiente virtual. “Tem sido muito desafiador lidar com os paradigmas que a nova realidade trouxe para o dia a dia, mas temos nos adequado e vamos seguir empenhados nesse projeto tão essencial para o bem-estar de tanta gente”, define.

Além do impacto positivo no dia a dia da comunidade, o Voluntário Gerdau também permite que os colaboradores exercitem e desenvolvam conceitos individuais valiosos, como a responsabilidade social, o comportamento ético e o altruísmo.

O inspetor de laminação de chapas Fábio Martins Fontoura conta que participar do projeto o ajudou a ter uma outra perspectiva da vida, mais positiva e humana.

“Ser um voluntário contribuiu muito para o meu desenvolvimento pessoal e profissional. Saber que posso fazer a diferença no mundo ao meu redor mudou muita coisa em mim”, reflete o profissional, que atua como um dos padrinhos da Associação de Cultura Afro-Brasileira de Ouro Branco (Acafro), iniciativa que oferece oficinas de capoeira, percussão, teatro, dança e contação de história para alunos da rede pública no município de Ouro Branco, na região Central de Minas.

Fontoura diz que participar das ações promovidas pela Gerdau e perceber as transformações que eles promovem é algo gratificante. “Hoje sou mais realizado não só no ambiente de trabalho, mas também em casa. Trazer sorrisos e um brilho para o olhar de tantas crianças é o melhor sentimento do mundo”, completa.

Localiza: Fazer o bem a quem precisa 

A Localiza é outra empresa que se destaca por sua participação direta no engajamento em ações em prol da sociedade. Em 2020, no pior momento da crise sanitária, a maior companhia de aluguel de carros do Brasil criou o Movimento do Bem para estimular seus profissionais a participar de ações de responsabilidade social.

Com a participação de 500 colaboradores mobilizados em cerca de 50 ações sociais, o programa foi um sucesso desde o começo, conseguindo arrecadar mais de quatro toneladas de alimentos para famílias carentes, além de promover atividades vitais como doação de sangue e confecção de máscaras.

Organizado pelo Comitê Empresa Cidadã – grupo responsável por liderar ações sociais no âmbito da pandemia –, o projeto é dividido em três frentes de atuação: atendimento a comunidades em situação de vulnerabilidade social, apoio ao sistema público de saúde, e assistência a micro e pequenos empreendedores diretamente impactados pela crise do novo coronavírus.

De acordo com o diretor de franchising da Localiza, Marcos Botega, o objetivo do Movimento do Bem é ressaltar a agenda de solidariedade e amparo da Localiza em causas sociais, especialmente em situações de extrema urgência.

“Essas ações voluntárias dão real sentido a um dos valores-chaves da empresa, que é acreditar que as pessoas têm o poder de inspirar e transformar a existência de outras pessoas. Sabemos que nossos esforços podem alcançar e contribuir na realidade de muita gente em uma sociedade tão diversa”, avalia.

O diretor explica ainda que o programa mostra todo o comprometimento da empresa com as diferentes realidades comunitárias.

“Em 2021, nosso programa organizou a doação de 1% da PLR de 3.000 dos nossos colaboradores, que ofereceram espontaneamente essa quantia para causas essenciais em comunidades carentes em todo o Estado – o que corresponde a mais de R$ 500 mil. A partir disso, a Localiza dobrou o valor doado e, assim, conseguimos reverter R$ 1 milhão para o Panela Cheia, campanha nacional contra a fome. Isso serve de motivo de muito orgulho para nós”, valoriza Botega.

Sulamita Dantas, analista de banco de dados da Localiza, está entre os funcionários que participam do Movimento do Bem. Integrante do Garota Tecnológica, projeto que capacita e cria oportunidades para mulheres na área da tecnologia, ela conta que o projeto a ajudou a entender o valor da coletividade para o despertar dos cidadãos sobre seus direitos e deveres dentro da sociedade.

“Ter a chance de lecionar para jovens mulheres que desejam conhecer melhor o mercado de trabalho e alcançar possibilidades profissionais é uma oportunidade única de promover o bem. Me sinto contente porque sei que essa experiência pode ser o divisor de águas para muitas dessas meninas que talvez não tenham tido muitas chances de capacitação antes”, explica ela. “Por isso, tento trazer mais do que conhecimento prático nas minhas aulas e prego o otimismo sempre que posso”, frisa.

Uma verdadeira veterana na área do voluntariado, Sulamita faz parte de uma equipe que ajuda crianças carentes em comunidades de Belo Horizonte desde o ano 2000. Para ela, não existe nada mais potente do que poder dar apoio a quem precisa.

“Tive a sorte ao longo dos anos de aprender que doar um pouquinho de nós através da empatia e do carinho talvez seja a maior alegria da existência”, ensina ela. “Acho que um simples gesto de amor pode ter mais peso na hora de criarmos histórias inspiradoras nesse mundo”, finaliza.

Fonte: O Tempo.