Cardeal Krajewski entrega na Ucrânia ambulância doada pelo Papa

Pela segunda vez em poucos dias, o esmoleiro do Papa foi a Lviv para entregar a ambulância abençoada por Francisco e destinada às autoridades da cidade ucraniana.

O esmoleiro do Papa, cardeal Konrad Krajewski, não descansa. O purpurado presidiu na tarde de sexta-feira (25/03), no Santuário Mariano de Fátima, em Portugal, o Ato de Consagração da humanidade, em particular da Rússia e da Ucrânia, ao Imaculado Coração de Maria. Chegou a Roma na manhã de sábado (26/03), e imeditamente partiu para Lviv, na Ucrânia, com “uma ambulância, doada e abençoada pelo Papa Francisco nos últimos dias”, informou o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. Nesta terça-feira de manhã (28/03) o veículo foi entregue às autoridades da cidade que o destinarão à estrutura que mais precisar. O responsável da Administração militar padre Maxim Kozic levará a ambulância ao Centro regional de saúde materna e infantil.

Entrega da ambulância

Entrega da ambulância

Uma ajuda concreta para a população, cujo número aumentou consideravelmente devido à chegada de muitos refugiados.
O Papa Francisco e o Cardeal Krajewski com a ambulância destinada a Lviv

O Papa Francisco e o Cardeal Krajewski com a ambulância destinada a Lviv

O Papa Francisco e o Cardeal Krajewski com a ambulância destinada a Lviv

No coração de Maria

“O cardeal Krajewski disse à mídia vaticana antes de partir: “Diante da Virgem de Fátima, pedi proteção para a Ucrânia, provada pela guerra, mas também para a missão que me preparo para cumprir, a pedido do Papa, voltando ao país. Irei com o coração cheio de esperança”, disse o purpurado, “depois de ter rezado junto com cerca de 15 mil fiéis no Santuário Mariano, em conexão direta com o Papa na Basílica Vaticana”. A celebração de sexta-feira contou com a presença de cerca de 25 bispos e também do presidente de Portugal, Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa, que, como um fiel, se misturou com o povo para seguir o Ato de Consagração a Maria. “Todas as pessoas rezaram comigo a oração do Papa”, enfatizou o esmoleiro do Papa. “Todos tinham o texto nas mãos. De Fátima, surgiu “um grito de paz”, explicou o purpurado, “para pedir o milagre do fim da guerra na Ucrânia”. “Com a fé se detém a guerra, e com toda a minha fé vou à Ucrânia para ver as consequências concretas do Ato de Entrega a Maria”, concluiu o cardeal Krajewski.

Fonte: Vatican News