Resposta emergencial Bahia e Minas Gerais conclui atividades com o apoio a mais de 27.000 pessoas

As populações da Bahia e de Minas Gerais viveram momentos de muita tristeza com as enchentes, inundações e deslizamentos de terra que devastaram diversas cidades e povoados no final de 2021

As consequências das fortes chuvas afetaram mais de 1.000.000 de pessoas. Na Bahia, 166 municípios decretaram estado de emergência. Em Minas Gerais, esse número chegou a 449. Segundo a Defesa Civil, um total de 156.836 pessoas foram obrigadas a deixar suas casas. Em decorrência dos efeitos das fortes chuvas, 56 pessoas perderam a vida: 26 na Bahia e 30 em Minas Gerais.

A Igreja, vivenciando sua essência humana e missionária, com a ajuda do voluntariado, desde o início atuou em apoio às famílias, sem medir esforços para socorrer o seu povo, por meio de abrigamento das pessoas, preparo e distribuição de refeições, entregas de cestas básicas, de itens de limpeza e higiene, bem como de colchões e cobertores.

Ainda em dezembro de 2021, a Cáritas Brasileira e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), iniciaram a campanha #SOS Bahia e Minas Gerais: Solidariedade que Transborda, que arrecadou R$ 2.545.374,50 para as pessoas atingidas pelas enchentes nos dois estados.

“Fruto disso, vem todo um processo de articulação internacional, em que recebemos uma visita da União Europeia, através do seu escritório da ECHO, que trata exatamente das questões emergenciais, e depois dessa visita houve uma sinalização positiva de apoio da União Europeia para uma resposta emergencial a essas famílias. Assim nasce o programa Resposta Emergencial Bahia e Minas Gerais”, conta Valquíria Lima, coordenadora da Cáritas Brasileira.

Ajuda internacional

As notícias correram o mundo. No início do ano de 2022, a Cáritas Brasileira e a CNBB receberam organizações internacionais de ajuda humanitária para verificar a situação das comunidades afetadas e identificar as principais demandas.

Em janeiro e fevereiro de 2022, Rebekka Reischmann, Gerente de Programas da Cáritas Suíça no Brasil, Roman Majcher, Especialista para emergências rápidas da ECHO/União Europeia para as Américas, Ignacio Ybáñez, Embaixador da União Europeia no Brasil e Christoph Oversohl, Oficial de Comunicação da União Europeia, realizaram uma série de visitas aos municípios em situação mais crítica.

“Enquanto União Europeia, nosso intuito é responder à situação das enchentes e inundações com um gesto de solidariedade. Estamos acompanhando a emergência desde o início com o apoio às ações da Cruz Vermelha, e agora continuaremos a ajuda por meio da parceria com a Cáritas Brasileira, Cáritas Suíça e Cáritas Bélgica”, declarou Ignacio Ybáñez, Embaixador da União Europeia no Brasil, à época da visita no final de janeiro de 2022. “Foram dias intensos de visitas, em que pudemos conhecer de perto a situação das comunidades afetadas e também o trabalho da Cáritas Brasileira e da Igreja Católica na região, bem como nos reunir com o poder público local”, acrescentou.

A atividade, incentivada pelas ações que a Igreja Católica no Brasil já vinha realizando junto às famílias atingidas, fez surgir o programa Resposta Emergencial Bahia e Minas Gerais. A iniciativa atendeu mais de 27.000 pessoas nos municípios de Ilhéus, Itabuna, Itajuípe, Itamaraju, Jucuruçu e Dário Meira, na Bahia, e Palmópolis e Rio do Prado, em Minas Gerais.

Fazendo a ajuda chegar aos grupos familiares em situação de vulnerabilidade – que não foram contemplados por benefícios do Estado ou de outras organizações da sociedade civil.

Confira os depoimentos das famílias beneficiárias na playlist disponível no link.

Etapas da ação

As ações tiveram início em fevereiro de 2022, com o cadastramento e a seleção das famílias. O processo foi realizado pelas equipes locais da Cáritas Brasileira, seguindo os critérios e padrões humanitários de atendimento.

Em março e abril, o programa iniciou a distribuição de 1.329 cartões multipropósito às famílias selecionadas, sendo 1.106 financiados pela Resposta Emergencial e 223 pela campanha SOS Bahia e Minas Gerais: Solidariedade Que Transborda.

Cada cartão tem um crédito de R$ 3.000, a partir do qual é possível definir, no âmbito familiar, o que é mais necessário e imediato para aquisição no momento, fortalecendo a autonomia e o protagonismo das pessoas.

Nilza Lina dos Santos Martins e Carlos Alves Martins, moradores da zona rural de Rio do Prado, Minas Gerais, foram uma das 1.329 famílias beneficiárias pelo cartão.

No mês de maio teve início a entrega dos 11.000 kits de limpeza, de higiene familiar e higiene infantil, com itens adquiridos nos municípios da iniciativa.

Assim, o programa Resposta Emergencial Bahia e Minas Gerais incentivou o comércio local por meio de suas ações.

Neto Maximiliano, proprietário de um depósito em Rio do Prado/MG, foi indiretamente beneficiado pelas ações do projeto, uma vez que seu estabelecimento venceu a licitação de compra dos itens dos kits, como também vendeu mercadorias para as famílias que receberam os cartões. Em visita à localidade, a coordenadora do programa, Mariana de Oliveira Estevo, realizou uma entrevista com o sr. Neto.

Após a distribuição dos benefícios foi realizada a aplicação dos formulários de acompanhamento pedagógico, com o objetivo de avaliar os impactos diretos e indiretos do projeto no cotidiano das famílias.

Incidência junto ao poder público

Além da distribuição dos cartões e dos kits, a Resposta Emergencial buscou melhorar o acesso às medidas de proteção para grupos particularmente vulneráveis, como mulheres, crianças, pessoas LGBTQIA+, idosos e pessoas com deficiência.

Ao longo de sua realização, a equipe elaborou relatórios a partir de temas identificados durante as entrevistas na fase dos cadastramentos, os quais tratam sobre diversos temas, dentre eles, a saúde mental das pessoas vítimas de desastre natural e a atenção psicossocial nas situações de desastre.

Adriana Santana, especialista em saúde mental e em atenção psicossocial, que trabalhou no processo de entrevista às famílias com agentes Cáritas dos municípios de Itabuna, Ilhéus e Itajuípe, na Bahia, desenvolveu a cartilha “O Ressignificar a Vida Pós-Enchente”, que foi disponibilizada para todas as equipes, a fim de servir como material de apoio durante as entregas de benefícios e visitas de monitoramento pós-entregas.

“A partir das percepções durante as entrevistas, dos sintomas que as pessoas atingidas estavam apresentando, foi que elaborei a cartilha, como uma forma de orientar as equipes e as famílias em relação a como lidar com as manifestações psíquicas que podem surgir após o desastre, de forma a validar a angústia dessas pessoas”, explicou.

Ao final do programa Resposta Emergencial, um relatório será apresentado ao poder público. O documento reúne uma série de dados importantes de se levar em conta para diminuir as vulnerabilidades das pessoas nas áreas atingidas.

“Todas essas questões que nós encontramos, tanto de gestão de risco, que envolve mapeamento das construções irregulares e de descarte incorreto de resíduos, quanto de violência e exploração sexual infantil e de violência doméstica, vai estar dentro do nosso relatório de incidência política, que nós vamos encaminhar às prefeituras ao final do projeto”, concluiu Mariana de Oliveira Estevo, coordenadora do programa.

Assim, a Resposta Emergencial se consolida como um projeto independente, que complementa as ações locais, para garantir a efetivação das políticas públicas voltadas a essas populações.

Todas as atividades contaram com o apoio das dioceses das regiões contempladas pelo programa, das paróquias da Igreja Católica e de voluntárias e voluntários, que se sensibilizaram com a causa desde o início das ações.

O programa Resposta Emergencial Bahia e Minas Gerais é fruto do consórcio entre a Cáritas Brasileira, Cáritas Bélgica e Cáritas Suíça, com o financiamento da Direção-Geral da Proteção Civil e das Operações de Ajuda Humanitária da União Europeia.

Fonte: CNBB.