Ucrânia, solidariedade contra a mentalidade do “cada um por si”

Área de Bucha e Vorzel, Ucrânia

Em meio à guerra, o trabalho do refeitório dos pobres na cidade de Beryslav, cercada pelo exército russo, não para. Uma história de extraordinária dedicação e providência.

“Cinco pães e dois peixes” é o nome do refeitório dos pobres da paróquia católica grega em Beryslav, uma cidade com mais de 10.000 habitantes a cerca de 70 km de Kherson, no sul da Ucrânia. Beryslav, como a capital da região, está atualmente cercada pelo exército russo. Não há acesso à cidade e as pessoas vivem em condições difíceis”, explica o pároco, padre Oleksandr Bilskyj. “Muitas pessoas não têm o essencial, há falta de alimentos porque os fornecedores não chegam. O refeitório para os necessitados foi inaugurado em outubro do ano passado. Antes da guerra, oferecíamos o almoço uma vez por semana, aos domingos depois da missa”, diz o padre, “mas quando a guerra eclodiu, decidimos abrir nosso refeitório todos os dias”.

Milagres com nada

Atualmente, chegam 100-110 pessoas por dia para comer, incluindo cerca de 40 crianças. Sentados em mesas montadas na pequena igreja estão famílias grandes e pessoas que não têm dinheiro para comprar alimentos, mas mesmo que tenham, muitas vezes não há nada para comprar. A paróquia também oferece alimentos para cozinhar em casa. Em cooperação com os serviços sociais de Beryslav, a comunidade católica grega, que pertence ao Exarcado de Odessa, também fornece refeições para o povo sozinho e dependente da cidade.

O Padre Oleksandr diz que não é fácil encontrar produtos para o refeitório: alguns são oferecidos pelos habitantes da cidade, outros a paróquia compra dos agricultores das aldeias próximas, todos fazem o que podem. Isto também é feito pelos cozinheiros voluntários que, como diz o pároco, se dedicam a esta atividade com muito amor. A escolha do nome do refeitório, iniciado há seis meses – “Cinco pães e dois peixes” – revelou-se prodigiosa: diante da necessidade, a pequena comunidade não escolheu o caminho do “cada um por si” e assim as pessoas estão sendo alimentadas. Quando os corações abertos encontram a dura realidade, um milagre acontece.

Mais do que um gesto de piedade

Os tempos sombrios e o sofrimento não dissuadiram nem mesmo os habitantes de Odessa, que são famosos por seu senso de humor particular. Sua resposta também é de solidariedade. Ali no Exarcado greco-católico, foi criado um centro para coordenar a ajuda humanitária, que chega tanto do oeste da Ucrânia como do exterior, e depois é distribuído aos necessitados. “Recebemos muitos remédios, assim como alimentos para crianças, cobertores quentes, roupas, sapatos, alimentos: tudo isso ajudará as pessoas a sobreviverem em um momento tão difícil”, diz o Padre Ruslan Ostafiy, coordenador do centro e capelão militar. Agradecendo a todos os benfeitores, o padre diz que seu apoio “não é a expressão de simples piedade, mas da grande fé humana que desperta o coração das pessoas, que, vendo a situação em nosso país, oferecem tudo o que podem”.

Estes homens e mulheres também rejeitaram o caminho de “cada um por si”. “Não pensei que em algum momento de minha vida eu tivesse que explicar às crianças o que é a guerra”, diz a voluntária Svitlana Kiseliova-Osafiy. “Primeiro tivemos tanto medo, pegamos nossos filhos e os levamos para lugares seguros, mas depois percebemos que se todos saíssemos, quem ficaria para defender, para ajudar, para dar qualquer apoio? Entendo que a força e a motivação vêm de Deus porque sou uma pessoa humana e também eu, como os outros, tenho medo, mas no momento em que me lembro que Deus está comigo, sinto minhas asas crescerem novamente e estamos prontos para trabalhar e ajudar”.

Fonte: Vatican News