Colégio Marista cria projeto de podcast que debate os direitos da criança e do adolescente

Os podcasts se popularizaram e ganharam espaço entre jovens e adultos

Em um formato leve, dinâmico e bastante versátil, os podcasts podem ser usados para abordar os mais diversos assuntos. Aproveitando esse boom e atratividade que eles têm, profissionais da educação estão inserindo-os como ferramenta didática para trabalhar conteúdos e apresentar recursos midiáticos aos estudantes.

Em Curitiba, essa oportunidade virou uma oficina de podcast que, na seleção de temas, privilegiou os direitos das crianças e dos adolescentes. Com isso, escolas têm levantado reflexões e estimulado a criatividade dos alunos.

A iniciativa envolve alunos do 7º e 9º ano do Ensino Fundamental do Colégio Marista Paranaense e do Marista Escola Social Ecológica e é uma forma interativa e prática de as turmas conhecerem os processos, desafios e habilidades envolvidos na produção do podcast, tão popular entre essa faixa etária.

Mas, indo além da parte operacional, o objetivo é que os adolescentes reflitam sobre os temas propostos, sejam estimulados comunicacionalmente e tenham um olhar mais crítico para as informações que recebem e que são disseminadas.

Oportunizando que eles soltem a imaginação e proponham abordagens, formas de analisar as fontes de informação e como apresentá-la ao público, as oficinas de podcast apresentam a temática – tão necessária para uma formação integral e crítica sobre si e sobre o mundo – de modo atrativo.

Oficinas de podcast promovem a reflexão dos alunos maristas

Nada melhor do que uma atividade prática para ajudar na fixação de uma informação. Por isso, as oficinas de podcast auxiliam os alunos a entender, aprofundar e refletir sobre temas importantes, como o direito das crianças e dos adolescentes.

Pensando nisso, o Colégio Marista Paranaense e Marista Escola Social Ecológica encontram na popularidade dos podcasts uma forma convidativa de trabalhar o tema.

O Grupo Marista tem como proposta a construção de uma sociedade justa e mais humana, apostando no poder transformador da educação para isso.

Dessa forma, o Marista Escolas Sociais atua na realidade de cerca de 7700 estudantes, de forma gratuita. São 19 escolas espalhadas por três estados, Paraná, Santa Catarina e São Paulo, que assistem crianças, adolescentes e jovens com uma educação de qualidade e projetos de contraturno.

O resultado é que os alunos são apresentados ao assunto de forma leve, com uma aproximação natural, que permite que cada um conheça e interaja à sua maneira com a temática: expressando opiniões, realizando entrevistas, sugerindo quadros, gravando os episódios, buscando curiosidades.

E, por ser um tema essencial à própria existência da criança e do adolescente enquanto sujeito social, faz com que eles, desde cedo, compreendam seu espaço no mundo, entendendo-se enquanto sujeitos históricos e sociais.

Por fim, é uma forma de aproximar os estudantes, fazendo-os interagir com outras turmas, trocar experiências e colocar em prática habilidades essenciais à formação integral, como cooperação, respeito, afeto, bem como exercendo seus direitos de acesso à informação, à educação e à socialização.

Fonte: Grupo Marista.